_________________________________________________________________________________________________


sexta-feira, 8 de abril de 2016

Para espalhar amor!


Amigos!!


Que tal dobrarmos corações no final de semana?

Compartilhemos amor!!!!!

Tutorial: https://www.youtube.com/watch?v=vCK_BJdsQ30





sexta-feira, 11 de março de 2016

O Príncipe, Kant e a fieldade

...

Eu ando muito pensativa nos últimos tempos. Né, Leila?! rs Quanto mais observamos, mais analisamos... E por vezes fazemos de nós mesmos nossas cobaias para ver até onde vamos, até onde deixamos o outro ir. Talvez longe demais... Lembrei de um amigo (mentira, um "ex-amor") que dizia "não sou carburador para ser testado". rs Não falava isso pra mim (ou de mim), já adianto! rs Sempre fui uma boa namorada! O fim da nossa história não tem a ver com testes, muito menos com falta de amor. Tem a ver com muitas outras coisas que não vem ao caso, pois o mote do post é outro! Penso que vamos até de forma inconsciente nos testando ao longo do caminho. A gente dá corda pra gente mesmo porque precisamos saber nossos limites... Por vezes nos enforcamos com essa corda, mas... "if you get thwarted, c'est la vie"!

Eu acho que li O Pequeno Príncipe na infância. Acho. Não tenho certeza. O fato é que se li, esqueci. E nesses últimos tempos de pensamento quase 24h por dia (não tenho tido folga nem nos sonhos) volta e meia alguma coisa me mostrava o livro. Uma frase que alguém postou no Facebook, uma página, um participante do BBB16 lendo (sim, de vez em quando dou uma espiada, não escondo!)... Pensei: vou ler. Confesso que fico um pouco reticente com o que vira chavão demais... rs Então só dá pra ler quando a vontade vem com força mesmo!

E ela veio domingo. Se li na infância, foi meio que perda de tempo quanto ao conteúdo rs. É um livro para crianças grandes... Não vou dizer que me tornei uma fã incondicional da obra, que vou comprar camiseta, caneca e caneta de O Pequeno Príncipe. Nem tanto... rs Mas sem dúvida gostei do livro, e vou ler novamente, porque a sede era tanta de chegar ao final que merece uma segunda leitura. Ou uma terceira. Tem coisas que precisamos ouvir e ouvir mais uma vez, e ouvir de novo. Não que não saibamos daquilo, mas por vezes vindo de fora é mais forte, corrobora e aclara o que está dentro. Às vezes o livro traz situações familiares, aí tudo faz sentido. É assim com música também. Sempre tem uma música que fala exatamente o que estamos sentindo, o que estamos vivendo. Ando cantarolando Frank Sinatra e Legião Urbana... Mas desde sábado é Supertramp que está na cabeça.

Nessa minha fase analítica (no bom sentido, não ando julgando ninguém sem o devido processo legal!), mais do que a piegas célebre frase "tu te torna eternamente responsável por aquilo que cativas", no Capítulo XXI, foi lá no Capítulo XXV que encontrei a frase que mais me tocou neste momento. É como "aquela" música que diz tudo, que desencadeia reflexões. Antes de dizê-la, direi o que conclui. Eu pensei muito se valia a pena escrever este texto nada a ver com origami, mas como gosto de escrever, tem gente que gosta de ler meus devaneios (né, Leila - parte II?), e faz tempo que não divago por aqui, cá estou eu. Poxa... já falei esse tanto e só agora justifico... rsrs "intimidade é uma merda", diria outro ex-namorado... rs

Mas só para não dizer que não tem origami nesta postagem, em 2011 estive no Chile como convidada especial do 2º Congreso Latinoamericano de Origami. Na exposição trabalhos de vários origamistas da América Latina, e um deles era muito legal: Pato Kunz, chileno, fez um origami para cada capítulo do livro... É uma maravilha o trabalho!!! Podem ver a galeria de fotos dele clicando aqui.

Essas são algumas fotos que fiz no Chile (putz... bateu uma saudade daquele congresso...):






Voltando a vaca fria...

Tenho pensado na responsabilidade que temos ao soltar palavras; no que vem atrás delas; na interpretação que o ouvinte faz delas; no que é verdade momentânea; no que é "verdade verdadeira"; no que se sustenta; no que sai de dentro; no que sai do sovaco esquerdo... 

Não passarei a noite falando detalhadamente sobre minhas observações e conclusões - até porque estou bem cansada... São muitas, muuuuuitas, e um mero codicilo tornar-se-ia um testamento... rs É um perigo deixar advogado escrever... rsrs

O importante de ser dito neste momento é que para mim trabalhamos sempre (ou quase sempre) com padrões. Meu padrão sou eu mesma. Espero que não soe pretensioso, porque não é. É bem teórico: tento viver de acordo com a ética da reciprocidade, ou a "Regra de Ouro", como era chamada pelos grandes Mestres da humanidade. Em resumo, é uma máxima moral que determina que devemos tratar os outros como gostaríamos de ser tratados. Encontramos a Regra de Ouro escrita quase da mesma forma em textos do Cristianismo, Sócrates, Aristóteles, e em tantos outros. 

Immanuel Kant, em "A Metafísica da Moral" (nos idos de 1797), desenvolveu a ideia do "imperativo categórico": devemos agir sempre baseados nos princípios que desejamos ver aplicados universalmente. "Imperativo": é um dever (moral, no caso); "Categórico": atinge a todos, sem exceção. Assim, ele ampliou a Regra de Ouro, entendendo que devemos "fazer para os outros o que gostaríamos que todos fizessem para todos". Ele queria dar uma estabilizada no que é certo e combater o "relativismo moral", essa ideia de o que é certo depende da situação e/ou do contexto. Bem... penso que não dá pra ser radical em quase nada nessa vida, e tem situações de relativização da moral (como uma situação de iminente risco da vida), mas isso é exceção. A grosso modo, penso que a ideia é evitar o famoso "dois pesos e duas medidas". E aí concordo plenamente com o Mestre! Para agir com segurança devemos agir segundo princípios universais e não regras circunstanciais.

O Pequeno Príncipe não sabia o que é "cativar", e foi aprender essa tão importante palavra, esse tão importante sentimento, com uma raposa... A raposa é um animal solitário, traiçoeiro, que está associado a esperteza, a não se importar com o outro. As pessoas com comportamentos desleais são metaforicamente chamadas de "raposas", por sua característica da caça traiçoeira. E é logo ela que ensina ao Príncipe o que é "cativar"... Não creio que Saint-Exupèry escolheu do nada uma raposa para o livro... Não saiu do sovaco esquerdo; era pra gente pensar mesmo, afinal há sempre algo bom no outro, ainda que esteja escondidinho...

Só devemos cativar o outro se estamos dispostos a fazê-lo com fieldade, sob os ditames da Regra de Ouro oxigenada pelas considerações de Kant: cativar não pode ser circunstancial. Minha Nossa Senhora cheia de MUITA Graça, que se entenda isso logo, porque é justamente aí que entra o problema: o "cativar circunstancial" está na moda. As pessoas andam muito efêmeras... Encontra-se "melhor amigo de infância" em cada esquina, mas na outra... perde-se o... "qual era o nome mesmo?"...

Aí fiquei pensando: será que é culpa dessa carência generalizada que anda assolando o mundo? Depende. Desculpem o "defeito profissional"... rs é que em Direito tudo depende! Mas aqui penso que depende mesmo. Para mim, em muitos casos sim, a carência faz deixar-se cativar com muita facilidade, e isso é um passo para a ilusão. Toda ilusão mais cedo ou mais tarde dá lugar à desilusão... e isso dói! Lado outro, o agir de acordo com o imperativo categórico faz com que pensemos que o outro só faz e fala o que nós mesmos somos capazes de fazer e falar. Aí... nos sentimos confortáveis naquela aparente fieldade do sentir e dizer, porque dizemos e agimos o que de fato sentimos, então recebemos tudo como "verdade verdadeira". Resultado: tá cativado... Maaaaaaas... às vezes era apenas uma "verdade momentânea"...

Vejam que não estou indo pro lado da sacanagem, do agir doloso, porque isso seria falta de caráter mesmo... rs Penso que a ninguém é dado o direito de ser leviano com o outro. Lembrei de uma frase que vi na internet outro dia, não sei quem é o autor: "Se for para ser filha da puta, que seja desde o começo, porque ninguém merece achar uma pessoa legal e logo depois descobrir que ela não presta" - "não presta" é muito forte, mas é a frase do cara! rs Já passei por isso... Dói, e dói muito. Acho que todos já passaram! A gente se sente muito idiota, né?? Mas é a vida (c'est la vie - parte II)... Mesmo assim (quase) sempre vale a pena, nem que seja para autoconhecimento! rsrs Meio "Pollyanna" isso, mas é instinto de sobrevivência! Até porque o mundo não para pra gente recuperar o chão. Aliás, vale a pena também ler Pollyanna. 

O que chamo de "verdade momentânea" está ligado a essa atual habitual falta de cuidado de uns com os outros (seria um agir leviano?...), e até consigo mesmo. Acha que sente (ainda estou considerando a bondade alheia, não o agir doloso), compartilha o sentimento momentâneo, depois vê que não sente e "liga o foda-se", como se nada tivesse acontecido, como se nada tivesse sido dito. Mal entendido armado, coração partido: o amigo não era amigo, o querer bem não era querer bem... e até mesmo amor não era amor. Eu odeio mal entendidos; são como uma sentença condenatória sem fundamentação, aí a gente nunca vai saber de fato o que desandou, onde mora o problema...

E o problema... é que temos sempre pressa, e assim nos rendemos ao que nos faz sorrir sem motivo, na certeza de ter naquele momento todos os motivos do mundo. Não esperamos descortinar o véu do encantamento, único acontecimento capaz de abrir os olhos da razão. "Espera... O tempo age.. O tempo se encarrega de jogar no chão as nossas mentiras. Porque não é o outro que mente pra gente não, é a gente que faz questão de mentir pra gente mesmo", já dizia o Padre Fábio de Melo (vale a pena ver o vídeo... hilário rs). No fundo... a gente sabe! Mas aquele danado daquele veuzinho do encantamento... Ah... encobre o mundo real... Certamente "ninguém é obrigado a ser o que a gente imagina que seja", já dizia o mesmo padre. Concordo. Mas também ninguém deveria vender gato por lebre... Devia ser crime contra o consumidor bem intencionado de bons sentimentos!

Em verdade, pelo contexto a frase de Saint-Exupèry que fez tudo isso aí em cima fervilhar na minha cabeça e coração está ligada a saudade de alguém que se gosta com fieldade, não à desilusões pessoais de todo gênero, rumo interpretativo que tomei aqui. Mas como tudo na vida pode ser analisado pelos mais diferentes prismas, e principalmente para alguém que anda tão pensativa, um pingo é um alfabeto inteiro!

E lá no final do capítulo XXV está o que desencadeou toda esta pseudo lucubração: "a gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar..."





E aí o que a gente faz? Não se deixa cativar, criando uma segura barreira que evita aprofundamentos, ou continua agindo segundo nosso coração, guiado pela ética da reciprocidade, e corre o risco de chorar um pouco quando o outro não corresponde a sua fieldade? 

Tudo isso não é um discurso contra entregar-se aos bons sentimentos que devem estar presentes em todos os tipos de relacionamento humano. Jamais!!!! Isso não seria Isa Klein!!! Devemos seguir nossos dias com estrelas nos olhos e sorrisos no coração, sempre tentando errar o menos possível e cuidando para que o cativar não seja circunstancial... O mundo está cheio de gente maravilhosa esperando por nós!!!!! O que penso ser fundamental é aprendermos a ouvir nosso coração e só transformar em palavra depois de um pouquinho que seja de certeza, depois de passar a primeira onda de euforia. Isso é cuidado, isso é respeito!

Lembrei de um autor que gosto muito... Millôr Fernandes. Ele dizia que "com muita sabedoria, estudando muito, pensando muito, procurando compreender tudo e todos, um homem consegue, depois de mais ou menos quarenta anos de vida, aprender a ficar calado." Ufa! Ainda é tempo!

E para terminar ainda com ele, não esqueçamos:

"Certas coisas só são amargas se a gente as engole."
Millôr Fernandes



Desculpem o "foda-se", mas a expressão era essa mesmo! rsrs De "Kant" a "foda-se", passando pelo "filha da puta" e um "merda" alheios em um único texto... Ah, mas aqui é uma conversa entre amigos, na sala de casa, onde vocês entram e ficam sempre à vontade, né?!

Ainda, desculpem o longo texto... rsrs Falador aberto hoje!!! rsrsrsrs 

Quem tiver paciência de ler, deixe sua opinião também! É muito engrandecedor ouvir o que o outro pensa!

Ando pensando tanto sobre as mazelas do comportamento humano... Mas isso é, se o caso, papo para outro post... rsrs

Tenham todos uma boa noite e lindos sonhos!!!

Beijos no coração
Isa

terça-feira, 8 de março de 2016

Dualidade


Amigas!

E amigos também!!! ^_^


Dia Internacional da Mulher... 

Deveríamos pensar no significado das coisas todos os dias, ou pelo menos com maior frequência. Mas não é assim. Dia disso, dia daquilo, dia daquilo outro... É aí que vem os textos, as análises, as manifestações... Tá... ao menos vem... rs

Seguindo a linha do ano passado (clique aqui para ler), fugindo dos temas habituais da data, o que deu vontade de falar hoje é sobre sentimento. 

Mulher sente demais. Demaaaaaais!!! Somos muito intensas, nos entregamos, queremos viver cada situação a pleno coração, como se fosse sempre a primeira e a última oportunidade. E nessa feroz intensidade, a vida da mulher é sempre um grande amor... Como diz Vinícius de Moraes, para viver um grande amor "é preciso ter muito peito - peito de remador"! Isso a gente tem sim senhor! Li uma frase que não sei de quem é, mas é a mais pura verdade: "Ser mulher é ser mais forte que os olhos podem ver." Se tem um tipo de gente forte nesse mundo, é a mulher. Homem jamais vai entender; homem jamais vai ser. 

A gente sabe se reconstruir a cada dia. Volta e meia precisamos fazer isso... E o fazemos com um sorriso no rosto e tantos outros no coração! Na nossa imensa fortaleza de suavidade, "levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima" não é coisa de mulherzinha... É coisa de Mulher! Mas continuamos doces, cuidadosas e frágeis, mesmo sendo as mais fortes criaturas que Deus imaginou criar. 

Mulher é isso... dualidade. 

Mulher é força visceral; é coração que cabe todos os sonhos do mundo; é leveza que transforma fardos em autoconhecimento; é a tradução do Amor... Mulher é cuidado!

Mas nessa nossa mania de cuidar do mundo, muitas vezes priorizamos o outro e esperamos que ele seja o que a gente imagina que é. Com o tempo a gente aprende que essa equação é errada... 

Então... por todas nós peço a Deus sabedoria e filtro para discernirmos logo o que é bom e o que é ruim para nossas vidas, e assim despendamos nosso amor (em sentido lato) na direção correta. 

E que saibamos procurar a felicidade com a lente da auto-estima!

Através destes abraços deliciosos, que marcaram momentos inesquecíveis, deixo meu carinho a todas que fazem parte do meu caminho, da minha história, agradecendo sempre a oportunidade que Deus nos deu de nos encontrarmos e acrescentarmos uma na vida da outra!

Obrigada!!

Feliz todo dia!!!

Beijos no coração
Isa




segunda-feira, 7 de março de 2016

De Timóteo para Coronel Fabriciano, em 03 de março de 2016.


Oi amigos!!!

Não gosto de ficar tanto tempo longe... Tive umas semanas bem cheias... Trabalho, origamis para exposição, os dias vão ficando pequenos. 

Mas parei umas horinhas para preparar um pedido especial. Minha querida amiga Maria Aparecida Silva, presidente da OAB Subseção de Coronel Fabriciano me pediu para fazer um origami em agradecimento ao Dr. Ronaldo Souza Borges, juiz da 2ª Vara Cível, que proferiu uma excelente palestra para nós advogados sobre o Novo Código Civil dia 03 de março. 

Pedido da Cidinha é uma ordem, ainda mais para a OAB! Com muito carinho preparei o presente:




Para homens gosto sempre de presentear origamis em bases de inox:




O escolhido foi o modelo Timóteo, feito em homenagem a minha cidade:




Detalhe do conector também feito em fio de inox, todo a mão:




Porque origami se faz com papel, amor e detalhes...




O papel é um perolizado italiano bem bonito, e reflete a luz de forma variada, dando nuances de azul:



Detalhe das nuances de azul, e dos minúsculos strass colocados na junção do módulo só para conferir luminosidade à peça:




Acomodadinho na cama de celofane!




E aqui o momento da entrega, após a palestra:




Dr. Ronaldo exibindo seu presente, e ao lado minha querida amiga Maria Aparecida:




Ele gostou muito do presente, a primeira vez que ganhou um origami! E depois já tive notícia que comentou com o pessoal no fórum, feliz por a "artista" ser advogada. ^_^ Ele é um gentleman, e um extraordinário juiz! Foi uma honra e uma imensa alegria fazer um origami para ele. 

Agora, o nome do post só quem é da área vai entender! Mas vou explicar pra todos: quando estamos peticionando de uma cidade para processo em outra costumamos formatar assim a data: De cidade A para cidade B. E como sou de Timóteo e a palestra foi na nossa "OAB irmã" de Coronel Fabriciano... nome de post em formato jurídico!  

Soninho... cansada (sim, logo segunda-feira... briguei o dia inteiro com o Processo Judicial Eletrônico dando tilte...)... Vou indo!

Que tenham todos uma noite tranquila e uma semana cheia de agradáveis surpresas!!!

Beijos no coração
Isa


quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Perdidos e Achados



Tenho fases de produção acelerada. E nessas fases as dobras costumam superar todo o "pós dobra": foto, edição postagem. Muitas vezes fotografo e esqueço de postar... Isso quando fotografo... Já perdi um ou outro modelo, que não tenho mais o original nem lembrei de fotografar os passos, ou fazer um esboço de diagrama ou mesmo CP do módulo. Aí já era, modelo perdido!  

De vez em quando é bom dar uma vasculhada nas fotos, e dei uma passada de olhos num dos meus álbuns de origami agora. Não é que encontrei alguns modelos perdidos? Este eu acho que postei no Facebook apenas foto de um pedacinho dele, num jogo de sombra. Mas nem achei no meio dos meus álbuns... rs Eu acho muito ruim procurar fotos no Facebook... rs (Acabei de achar! É de 2013... affff. Clique aqui!)

Aos poucos vou colocando estes "perdidos" em dia. O bom é que dão alegria mais uma vez, como se tivessem saído da caxola agora!





Tenham todos uma noite de lindos e suaves sonhos!!!

Beijos no coração
Isa

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Para viver um grande amor



Ontem eu recebi em áudio um texto lindo, lindo, lindo, escrito por Vinícius de Moraes. Eu não o conhecia, e fiquei encantada, maravilhada, agradecida pelos meus ouvidos. Ouvi uma vez, outra vez, mais uma vez, ouvi antes de dormir para que as lindas palavras permeassem meus sonhos e me fizessem acordar sorrindo. 

Deu certo!

E já ouvi hoje de novo e de novo agora ouvi mais uma vez. 

Retirei um trecho para uni-lo ao origami e compartilhar com vocês...





Mais origamis e palavras, CLIQUE AQUI

Tenham um lindo dia!!! Florido e cheio de amor!!!

Beijos no coração
Isa





Para Viver Um Grande Amor
Vinicius de Moraes

Para viver um grande amor, preciso é muita concentração e muito siso, muita seriedade e pouco riso — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor, mister é ser um homem de uma só mulher; pois ser de muitas, poxa! é de colher... — não tem nenhum valor.

Para viver um grande amor, primeiro é preciso sagrar-se cavalheiro e ser de sua dama por inteiro — seja lá como for. Há que fazer do corpo uma morada onde clausure-se a mulher amada e postar-se de fora com uma espada — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor, vos digo, é preciso atenção como o "velho amigo", que porque é só vos quer sempre consigo para iludir o grande amor. É preciso muitíssimo cuidado com quem quer que não esteja apaixonado, pois quem não está, está sempre preparado pra chatear o grande amor.

Para viver um amor, na realidade, há que compenetrar-se da verdade de que não existe amor sem fidelidade — para viver um grande amor. Pois quem trai seu amor por vanidade é um desconhecedor da liberdade, dessa imensa, indizível liberdade que traz um só amor.

Para viver um grande amor, il faut além de fiel, ser bem conhecedor de arte culinária e de judô — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor perfeito, não basta ser apenas bom sujeito; é preciso também ter muito peito — peito de remador. É preciso olhar sempre a bem-amada como a sua primeira namorada e sua viúva também, amortalhada no seu finado amor.

É muito necessário ter em vista um crédito de rosas no florista — muito mais, muito mais que na modista! — para aprazer ao grande amor. Pois do que o grande amor quer saber mesmo, é de amor, é de amor, de amor a esmo; depois, um tutuzinho com torresmo conta ponto a favor...

Conta ponto saber fazer coisinhas: ovos mexidos, camarões, sopinhas, molhos, strogonoffs — comidinhas para depois do amor. E o que há de melhor que ir pra cozinha e preparar com amor uma galinha com uma rica e gostosa farofinha, para o seu grande amor?

Para viver um grande amor é muito, muito importante viver sempre junto e até ser, se possível, um só defunto — pra não morrer de dor. É preciso um cuidado permanente não só com o corpo mas também com a mente, pois qualquer "baixo" seu, a amada sente — e esfria um pouco o amor. Há que ser bem cortês sem cortesia; doce e conciliador sem covardia; saber ganhar dinheiro com poesia — para viver um grande amor.

É preciso saber tomar uísque (com o mau bebedor nunca se arrisque!) e ser impermeável ao diz-que-diz-que — que não quer nada com o amor.

Mas tudo isso não adianta nada, se nesta selva oscura e desvairada não se souber achar a bem-amada — para viver um grande amor.

Texto extraído do livro "Para Viver Um Grande Amor", José Olympio Editora - Rio de Janeiro, 1984, pág. 130.


sábado, 6 de fevereiro de 2016

De Carnavais...


Oi amigos!!!

Estou desde cedo com vontade de escrever aqui, mas o dia foi cheio... Afazeres de tia pela manhã, fiz almoço pra família (Scaflê de frango), depois fui lavar cozinha, copa, banheiro, lavar roupa, pendurar roupa, limpar a casa dos gansos, trocar a água dos gansos, catar as goiabas maduras que caíram do pé, aguar as plantas, alimentar os periquitos... Resultado: acabou o dia! rsrs Novidade... rsrsrsrs

Só agora, 19h50, consegui sentar na frente do notebook. 

Estamos no Carnaval, e lembrei que tenho modelos criados em carnavais passados. Quero muito dobrá-los novamente estes dias! Bem... isso se sobrar tempo, porque a lista dos afazeres "feriadísticos" é grande! 

Eu lembrava dos modelos, mas não me lembrava quando foram desenvolvidos! rsrs Fui pesquisar agora para colocar tudo certinho, e descobri que um foi criado no carnaval de 2011 e três no de 2012. Ô carnaval produtivo!!! hehe Como não sei se conseguirei dobrar novos, vou postar os originais para relembrarmos juntos. 

Essa é a Portela, criada dia 20 de fevereiro de 2012. Clique aqui para conhecer a história do modelo!

Esta presenteei o Pastor Milton, um homem de bom coração que tive o imenso prazer de conhecer em 2014, bem no dia do aniversário dele!





Esta foi a primeira que fiz, com 5 módulos. Gosto mais assim, mas a de 6 fica melhor para colocar no fio. Eu não tinha papel prateado dupla face, então colori o lado branco com giz de era. 



Aqui com o mesmo papel, 6 módulos.



Esta num papel mais encorpado, permitindo abrir mais os braços da estrela:





Coloquei a Portela primeiro porque gosto demais dessa estrela! Mas a primeira criação daquele ano foi Tsugawa Star. O nome é uma homenagem a autora japonesa Mio Tsugawa. Clique aqui para conhecer a história do modelo

Só fiz esta até hoje... rs Levei para a Convenção DoBras 2012, quando ensinei o modelo. Ô convenção que tenho saudade!!!!! Maravilhosa!!!!!!!! Foi lá que conheci pessoalmente os queridos Daniel Naranjo e Román Diaz, que inclusive fez a aula deste modelo. Meninos de ouro...




E fechando a produção carnavalesca de 2012, o primeiro modelo desenvolvido naquele ano, Apoteose. Também só fiz este até hoje... rsrs 



Poxa vida... é bonitinho o danado e eu só fiz um até hoje... Vá entender... rsrs



E finalmente o início dos "modelos carnavalescos", Folia, desenvolvido em 06 de março de 2011:



Pra variar, só fiz este, que virou uma luminária:



 Clique aqui para conhecer a história do modelo!


Agora... mais uma coisa em comum eles tem: não lembro como dobra nenhum deles!!!! kkkkkkkkkkkk Acho que este será meu "dever de casa" para os próximos dias... rsrsrsrsrs


Bem... que me lembre são estes meus modelos desenvolvidos em carnavais! Já está na hora de surgir algo novo no período de folia, né?! 


Para os que vão brincar o carnaval, aproveitem, hidratem-se e usem camisinha!!!

Para quem vai ficar mais quietinho, bem vindo ao clube!

De qualquer forma, bom feriadão para todos!!!!!!


Beijos coloridos e alegres!!
Isa



LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin